Comentários feitos por especialistas brasileiros da PMK Fundraising e Supporter's Club - www.pmk.com.br

A Internet é a sentença de morte para a Mala Direta de Fundraising?


Nem de longe. 

A Mala Direta continua sendo o meio mais eficaz de captação de recursos depois da cestinha passada durante as missas nas igrejas. 

E é muitas vezes mais eficaz do que um e-mail. 

Mas a forma como ela funciona está mudando. Cada vez mais a Mala Direta e a Internet estão se tornando interligados. Os doadores são movidos pelo calor e pelo toque pessoal da mala direta, em seguida pesquisam sobre sua entidade na Internet e muitas vezes doam através do site. 

Os valores médios de doações on-line costumam ser um pouco maiores que os da mala direta, mas a combinação dessas duas mídias gera maior frequência de doação e maior retenção. 

Tudo indica que esse comportamento está a caminho de se tornar a maneira típica de doação. Para ser eficaz, precisamos ter certeza de que nossa mala direta e nossa comunicação on-line são totalmente integrados: o mesmo visual, a mesma linguagem, as mesmas ofertas, os mesmos projetos. 

Uma vez me perguntaram: se o coração de mala direta é o fato de uma pessoa escrever para outra, oferecendo-lhe uma chance de mudar o mundo, por que tanta ênfase nas técnicas de criação e redação? 

Na verdade nós rotulamos como "técnicas" coisas que parecem desconhecidas para o comum das pessoas. Coisas como: sublinhado, parágrafos curtos, linguagem coloquial, e notas de margem manuscritas. Enfim, tudo aquilo que professores acadêmicos condenam e dizem que tornam a escrita superficial. 

Mas essas "técnicas" são apenas convenções que nos ajudam a conectar nossa instituição com os doadores. Tudo isso se aprendeu a partir de anos e anos de testes e experiência. Ninguém vai ser louco de ignorar esse conhecimento. 

Dito isto, uma ressalva: qualquer fundraiser que se concentra apenas na "técnica" e não sobre o aspecto mais importante de "uma pessoa escrevendo a outra pessoa" nunca vai realmente ter sucesso.