Comentários feitos por especialistas brasileiros da PMK Fundraising e Supporter's Club - www.pmk.com.br

Era uma vez... o Storytelling


De uns tempos para cá virou moda: todos os profissionais de propaganda e marketing falam exaustivamente da importância do Storytelling para garantir o sucesso de suas campanhas.

No Fundraising isso não é diferente e o tal Storytelling é também um ponto primordial para transformar qualquer comunicação em vencedora... ou perdedora.

Quem sabe inglês olha e fala: "ok, isso significa que eu só preciso contar uma história - story = história; tell = contar. E histórias nós todos temos, não é mesmo?"

Antes fosse tão fácil assim.

Certamente, se eu te pedisse para me contar uma história, as que viriam à sua memória seriam aquelas que lhe marcaram, que mudaram a sua vida ou que demostraram grande superação, talvez algum fato inacreditável que você até hoje busca uma explicação.

Outras histórias que você ouviu (e foram várias) e que não lhe foram relevantes, você não se lembraria. Elas ficaram lá no inconsciente e você, por algum motivo, julgou não serem dignas de serem passadas a diante.

Talvez você até as tenha ouvido, mas não escutou realmente, pois em algum ponto elas se tornaram tão desinteressantes que sua cabeça foi passando pelo que você ia comer no almoço, sua lista de tarefas do dia, etc, etc.

Então, aí está o primeiro desafio: como fazer Storytelling de uma forma que o seu público vá parar tudo o que está fazendo, prestará Atenção (AIDA), se Interessará (AIDA), Desejará guardar na memória (AIDA), e finalmente Ação (AIDA): interagirá com você (conversão) e ainda julgará interessante passar adiante a outra pessoa (engajamento e viralização). 

Pois é, amigos comunicadores: continuam achando o Storytelling algo simples?

Em nossa experiência na PMK, por diversas vezes, nós testamos diferentes abordagens numa mesma peça de comunicação. E, nestes testes, acabamos descobrindo alguns pontos primordiais na hora de escolher a história que iremos contar para nosso público-alvo, de forma a engajá-lo a participar de uma Causa sem fins lucrativos.

Portanto, vamos lhe contar aqui algumas dicas para usar o StoryTelling a seu favor na hora de conquistar possíveis apoiadores ou doadores para sua Associação: 


1) Além de contar, mostre!

Isso mesmo. Se sua campanha for digital, utilize vídeos ou conteúdo multimídia na hora de contar sua história. Um vídeo interessante prenderá muito mais a atenção do que um bloco de texto. Mas, se tiver de usar mala direta, utilize recursos visuais que lhe ajudem a contar a história de forma que os olhos do seu leitor sejam guiados exatamente para os pontos mais importantes de sua narrativa.

2) Interaja com o seu interlocutor, como se ele estivesse na sua frente


Não conte apenas a história sem envolver quem está ouvindo ou lendo. Seu público prestará muito mais atenção se, em alguns pontos, você inserir ele dentro da história, colocando-o no lugar do herói ou do "bandido", por exemplo. Converse com ele, faça perguntas, deixe que ele reflita sobre o que você está dizendo.

3) Pense em quem você quer atingir


Na hora de criar seu Storytelling, lembre-se para quem você está escrevendo ou falando. Muitas vezes histórias que nos interessariam podem não ter o mesmo efeito em nosso público alvo. Se precisar, segmente seu banco de dados e utilize abordagens diferentes com cada segmento.



4) Não se esqueça de seu objetivo de marketing principal


Não adianta nada você contar uma história mirabolante se ela não tiver nada a ver com o seu objetivo na campanha. O Storytelling serve para exemplificar e guiar a mente do seu interlocutor para o seu objetivo final; transformar sua comunicação em imagem mental. Senão, o seu interlocutor vai ouvir, esquecer da história, e não agirá de acordo com o que você esperava. Ou seja: você gastou tempo e talento numa comunicação inútil.

5) Não se perca - história é composta de começo, meio e fim

Como em qualquer livro, você vai precisar estruturar muito bem sua história antes de começar a escrever e prender o seu leitor ou ouvinte a cada ponto, criando momentos de tensão, de curiosidade para saber o que virá adiante, mas sem se perder no meio do caminho. Se complicar demais, ou se ficar chato, ele vai desistir de chegar até o final.

6) Conte uma história e não uma epopéia 


Sua história precisa ser real, trazer dados, ser palpável. Ou seu possível doador vai achar que você está mentindo só para ganhar a doação dele. Ele se sentirá enganado e nunca mais vai querer ler ou ouvir nada seu. Afinal, Fundraising é coisa séria. Diga sempre a verdade e apenas a verdade. Mas utilizar exemplos e suposições para demonstrar a verdade são muito bem-vindos. 


Gostou destas dicas? Comente abaixo suas experiências com Storytelling e... conte-nos sua história.