Comentários feitos por especialistas brasileiros da PMK Fundraising e Supporter's Club - www.pmk.com.br

Portuguesa de Desportos: a agonia de um clube tradicional e cheio de torcedores


Vejam, na notícia abaixo, publicada no site da revista Época, o que acontece com um clube tradicional, como a Portuguesa de Desportos, que tem uma torcida super expressiva e fiel, quando... descuidou da parte financeira e não implantou um bom Programa de Sócio Torcedor

Ainda está em tempo Portuguesa, procure a PMK.

ESPORTE


Pressionada por leilão, Portuguesa estuda alugar parte de terreno do Canindé


Clube conversa com três companhias do ramo imobiliário e tem até novembro para montar proposta

RODRIGO CAPELO
08/09/2015 - 13h18 - Atualizado 08/09/2015 15h18
Assine já!

Portuguesa (Foto: Divulgação)
Portuguesa estuda como tornar o Canindé em um estádio rentável. Conversa, atualmente, com três empresas: uma incorporadora, um grupo de investidores e uma consultoria. Jorge Manuel Gonçalves, presidente do clube, quer ceder parte do terreno para empreendimentos como hotéis, prédios comerciais e residenciais ou centros de convenções, de modo que receitas além do futebol, permanentes, sejam criadas para sustentar a operação dotime. Esta é a opção a vender o estádio ou, pior, vê-lo ser leiloado para pagamento de dívidas.

+ Além de padarias, Portuguesa terá na camisa patrocínios de restaurante, pizzaria e motel

Há prazo para encontrar a melhor opção. Em maio, a Justiça do Trabalho negou recurso da Portuguesa e manteve a decisão de leiloar parte do terreno do Canindé para o pagamento de dívidas. São oito processo que, juntos, somam R$ 47,325 milhões. Gonçalves quer montar um plano factível do que fazer com o estádio para mostrar aos juízes e tentar cancelar a venda. O leilão ainda não tem data para acontecer, mas o dirigente acredita que precisa concluir todas as negociações até o mês de novembro para convencer a Justiça. “Preciso correr”, diz ele.

+ Como as padarias (e um ex-dirigente do Corinthians) querem salvar a Portuguesa

Em queda livre desde que escalou equivocadamente o meia Héverton e perdeu pontos no STJD, em 2013, a Portuguesa sofreu dois rebaixamentos seguidos e hoje joga a Série C. As finanças despencaram junto. No ano passado, o clube arrecadou R$ 17,1 milhões, contra R$ 38 milhões na temporada anterior. O balanço patrimonial de 2015 mostrará números ainda piores, pois o contrato de direitos de televisão gera muito pouco na Série C. Os resultados são alarmantes. Houve prejuízos de R$ 34,2 milhões em 2014 e R$ R$ 25,6 milhões em 2013.